Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

quinta-feira, 26 de abril de 2012

MARATONA DE PARIS - RELATO

Corredores !!!
Hoje vou publicar o relato feito por uma amiga sobre a Maratona de Paris.
Achei muito interessante que pedi permissão à Cassiana (este é o nome dela) para publicar aqui as experiências e emoções vividas na maratona.
Tenho certeza que todos irão se envolver com a descrição feita pela Cassiana. Mais ainda os que já fizeram uma maratona e experimentaram como é cruzar a linha de chegada depois de ter superado muitos desafios que começam bem antes da largada, com os preparativos que a disputa de uma maratona requer.
A emoção é muito grande.
Mas, vamos ao relato da Cassiana....

"A maratona de Paris foi minha redenção dps de Berlim e não tenho como falar de uma sem citar a outra.

Me preparei para Berlim como uma profissional, fiz um treino seríssimo durante 3 meses com intuito de baixar meu tempo de 3h45 para 3h38 e assim conseguir classificação para NY, por fim me lesionei no km 10, completei a prova em 3h55, 5 cãibras e muita dor... para quem não sabe o que é ter cãibras durante a corrida, posso descrever a 1ª como um raio que cai, do nada, direto na tua perna! E as seguintes como contração de parto, ela vem vindo... e vc sabe que ela vem vindo e nada pode fazer para impedir. Berlim foi um calvário!

Fiquei 2 meses sem poder correr e menos de 7 meses dps estava eu, no meio da multidão, em frente a imponência do Arco do Triunfo, junto de 2 companheiras de corridas, pronta para a largada com a certeza de que nunca tinha estado tão despreparada como dessa vez! Tive gripe e recaída de gripe, a lesão deu sinal de voltar... enfim, treinei muito pouco. Essa foi minha 5ª maratona em 4 anos! Pra não surtar, fui como quem vai fazer um longão, um treino!

Larguei cheia cautela e apavorada com a possibilidade de outra lesão ou cãibras... sem ambições, só queria completar e me divertir! E de preferência manter-me o mais abaixo das 4horas possível!!!  . O que já me contradiz, pois sem treino adequado, isso é muiiita ambição!

O percurso é maravilhoso! São 42km de festa, a organização espetacular... a sinalização km a km perfeita, as ruas largas, algumas subidas mas nada assustador, a cada 2km tem música, muita percussão africana, samba brasileiro, rock in roll... de tudo! Lembro até de passar por um grupo de homens vestidos de cheerleaders fazendo coreografia com pompoms! Tudo muito divertido e feliz!

O dia estava ótimo, a chuva prometida adiou sua vinda e até o sol apareceu por alguns instantes! E pra mim foi só alegria! Vim pedindo a Deus pra me livrar das cãibras e assim que passei do km 10, o fatídico em Berlim, passei a agradecer e comemorar por cada um que corria sem problemas, lá pelo 26 percebi que vinha num bom ritmo e só me apetecia cantar, e eu canto mesmo, o povo que tá em volta me olha dando risada!

No km 30 comecei a desconfiar que a Cassiana das 3h45 estava de volta mas não quis acreditar, seria um milagre... porém no km 32, o corredor da bandeira roxa, isso mesmo, o pacemaker das 3h45 me ultrapassa pela direita e fica a uns 3 metros à minha frente! Nessa altura da prova já não é muito fácil raciocinar e eu pensava, ou eu tô muito bem ou esse cara tá atrasado!!!! O que será que aconteceu com ele?!?!????? Conferi o tempo e velocidade no Garmin e por uns metros acreditei que, se faltavam apenas 10k, se eu acelerasse um pouquinho, havia a possibilidade de fazer bonito. Uau! E a bandeira roxa ali, logo à minha frente... ganhando distância!

Apertei a passada e senti uma fisgada na panturrilha direita e a memória do castigo de uma cãibra voltou imediatamente... abrandei e pensei, deixa pra lá, a bandeira roxa que vá embora que eu quero é ser feliz! Na verdade abrandei esperando que em poucas passadas minha perna acalmasse e eu retomasse o ritmo anterior, aquele de antes do corredor da bandeira roxa – um homem de cabelos brancos na altura dos ombros, barba e bigode tipo hippie –  que agora já era um ponto roxo lá na frente, aí era só seguir tranquila que a coisa ficaria muito próxima das 3h50!

Ha ha ha... doce engano, a perna esqueceu a fisgada mas o ritmo nunca mais voltou! Conferia minha velocidade no Garmin e não conseguia acreditar que aquilo estava funcionando, apesar de todo o meu esforço e empenho, não conseguia correr abaixo dos 6’/km. Lá pelo km 36 vi muita gente parando para alongar com pernas retorcidas e voltei a comemorar e agradecer a Deus por estar tão bem... Da bandeira roxa nem sinal... voltei a cantar e ainda na minha conversa com Deus o liberei do compromisso, se eu tivesse que ter cãibra que ela viesse, 6km em sofrimento não roubariam os 36 que fiz até então com meu peito explodindo de emoção e de alegria. Tenho certeza que quem corre maratona conhece a emoção de que estou falando!!!

Por fim, Deus foi generoso e terminei a prova sem sofrimento! Exausta, lógico, mas sem dores, sem desespero! Meu Garmin marcou 3h58’12’’, pelo chip da prova 3h59’50’’... O que vale é meu Garmin, né???????? 

Acredito que essa diferença deva-se a um túnel longo onde perdemos sinais de satélite. De qqr maneira fiquei abaixo de 4 horas! E trago na memória a prova mais linda e emocionante que fiz até hj!

Em conforto, o que deixou a desejar foi a chegada na Avenida Foche, podia ter sido um pouco mais pra frente junto ao Arco do Triunfo, estava muito frio e fez falta um chá quente ou até quem sabe uma cerveja para relaxar, recebemos gatorade, água, uma t-shirt técnica, a medalha e uma capa de chuva azul bem legal, mas não suficiente para o frio que fez, além disso ao passar a meta a rua afunilava muito com as barracas de frutas e outras com as mochilas que muitos deixam com roupa quente e seca para dps da prova, levei uns 15 minutos para percorrer 30m batendo queixo, e chegar ao ponto de encontro com minha amigas... fico imaginando que quem termina em cãibras, certamente entra em pânico preso no meio da multidão!

Saímos dali congeladas e entramos num táxi de um simpático Argelino, chegamos em casa e não foi sacrifício algum encarar 5 andares de escadas num típico e minúsculo apartamento no coração Quartier Latin!

Só posso dizer que a maratona de Paris vale todo o investimento de tempo, treino e dinheiro! A medalha é pobrinha, meio infantil... mas o resto é tudo muito bom! Qdo vcs decidirem por aventuras além mar como Lisboa, Porto, Berlim ou Paris contem comigo para todas as dicas.

A próxima? Provavelmente Barcelona em Março de 2013! Alguém se aventura?"

2 comentários:

  1. Olá Julian,
    Estou retribuindo a visita. Seu blog é legal sim cara. Em meu blog recebo a ajuda de um excelente corredor, o Luciano, e sou apenas um veículo para divulgar a corrida em minha cidade, muito carente nesse aspecto.

    Como atleta sou sofrível, apenas força de vontade.
    Meu parabéns e vamos criando uma corrente forte em torno de nosso esporte favorito.
    Até Mais.

    ResponderExcluir
  2. Olá, Julian.
    Muito legal o relato da Cassiana - Parabéns a ela pelo sub4h. Realmente dá vontade de participar de uma prova como esta. Eu ainda sou uma corredora de "meio fundo", nos limites das provas de 5K e 10K. Mas um dia, com bastante treino, quem sabe.
    Tenho um bloguinho de corrida também. Apareça por lá!!

    Um abraço,

    Helena C Vidal
    Correndo de bem com a vida
    @correndodebem
    helenacvidal.blogspot.com

    ResponderExcluir

O teu comentário é muito importante, porém identifique-se.
(CF, art. 5º, IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato).

RESPONDEREI TODOS OS COMENTÁRIOS.
Volte mais tarde e veja a resposta